terça-feira, abril 06, 2010

"...LOVERS ALWAYS COME AND LOVERS ALWAYS GO..."
Guns 'N Roses, November Rain.








"...and no one's really sure
who's letting go today walking away
if I could take the time
to lay it all in the line
I could rest my head
just knowing that you were mine..."




Vestiu a fantasia de vítima para escrever frases comoventes. Não deu certo. A imagem dele se fez presente em sua lembrança, e tudo o que pôde fazer foi sorrir. Lembrar do porte que sempre lhe tira o fôlego, dos ombros que carregam se peso, sempre que lhe pede, só podiam se traduzir em felicidade instantânea, miojo pra alma. Recordou o sorriso imperfeito, o mais belo que existe, e o peito acelerou! Se ele pudesse vê-la naquele momento...
A face corada pelos bons pensamentos, ondas de prazer inundando o corpo, o espírito leve. Sonhou acordada e esqueceu seus escritos. Não sabia de mais nada que não fosse a contemplação mental daquele que era seu sonho, e sua realidade. Tinha uma encomenda, um texto soturno, um lamento, para ser entregue naquela tarde. Abriu a janela e inspirou o ar limpo, frio, pegou o telefone e ligou para o editor. Confessou sua incapacidade de ser infeliz e a impossibildade de entregar o pedido. Nem um abalo, sequer, com as queixas e imprecações do amigo. Resolveu desligar, antes que ele começasse a questionar toda sua felicidade, foi pra rua, assoviando uma canção de amor.



playlist

Counting Crows
Maroon Five
Matchbox Twenty
James Morrison



*(in)love*

Um comentário:

Damerson disse...

A sombra do vento que arrepiava todo seu corpo tinha um nome. Este nome pairava em sua mente como se nada mais existisse ao seu redor. Tentou se desfazer de tudo que pudera imaginar, mas a imagem batia forte e acelerava seu coração, o amor nunca o abandonou, mesmo naquela distância que os separava, a morte. Tempos se passaram e lá estava ele a contemplar a imagem de sua amada, em um fim de tarde com o sol se pondo, e contemplando o mar.