terça-feira, abril 04, 2006

Tanto tempo

"...CORRO DE TE ESPERAR, DE NUNCA TE ESQUECER..."
Ana Carolina em Nua






Não é que eu não tenha a medida do tempo que passou, ele simplesmente se perdeu entre nós. Já nem sei quando foi ontem, ou quando aquele primeiro beijo, com sabor de cerveja encorpada, com clima de boemia da Lapa, se deu. Soltei as rédeas e os ponteiros do relógio, vivi e foi intenso, e é gostoso. É mais, assim, do que queríamos, do que esperávamos. Eu estava lá, sem muito o que fazer, só pra tentar esquecer a cor de desfazer o que amo, de desconstruir o que eu quis pra mim e você, você eu nem sei se estava mesmo. Não sei quando se deu conta, ou se isso já aconteceu. Tanto 'EU TE AMO', pra cá e pra lá, tanto de carinho, que eu nem sei o tanto que me cabe, só sei que você cabe em mim. Que é perfeito, que é fantástico. E que acordar assim, com teu gosto na boca, era tudo que eu queria pra mim, e já parece que foi há tanto tempo que eu nem sei quanto tempo faz. Sucessão de sentimentos reincidentes, nsotalgia recorrente, se você não está e esse teu cheiro marcante, perfume de mim, que parece não acabar.








*é...*

Um comentário:

Tiago disse...

É, a vida é uma sucessão de acontecimentos e mudanças...
Mas é sempre bom saber que as coisas boas não mudam, assim como os teus belos escritos.

Beijos pra ti mocinha... ADOROTE!
Felicidades e força sempre!!!